OS ANJOS SÃO SERES ORGANIZADOS: OS QUERUBINS


“E, expulso o homem, colocou querubins ao oriente do jardim do Éden e o refulgir [chama] de uma espada que se revolvia, para guardar o caminho da árvore da vida” (Gn 3.24).

Estudar angelologia, ramo da teologia que estuda os seres angelicais, é um grande desafio. Ainda mais hoje, quando o ensino bíblico nos púlpitos é escasso e muitos cristãos podem ser facilmente iludidos por fundamentos teológicos dissimulados. Para evitar um desvio da verdade quanto ao tema, pretendo colaborar com a compreensão bíblica acerca da organização dos seres angelicais em breves pastorais.

Por “organização” busca-se compreender o “sistema”, “o modo pela qual se organizam” os seres angelicais, isto é, a estrutura na qual são designados. Dentro desse aspecto fundamental, a angelologia bíblica oferece fundamentos para crermos que Deus organizou os seres angelicais em classes ou categorias, ordens ou graus, multidões ou companhias, como uma hierarquia. Comecemos pelos querubins.

Alguns textos falam de anjos denominados “querubins” (keruwb, heb., cheroubim, gr.). O termo hebraico tem origem no verbo “guardar, cobrir”, o que parece ser sua principal função. Afinal, os querubins foram colocados para guardar o caminho da árvore da vida no Éden (Gn 3.24), guardar o propiciatório e o Santo dos santos, uma decoração simbólica (Ex 25.18-20; Hb 9.5; I Re 6.23-29), e ladear o Trono de Deus (Ap 4.6-8), como guardando o acesso ao Trono.

A partir dessa última leitura bíblica destaco que tanto o discípulo João como o profeta Ezequiel descreveram visões de querubins quase idênticas (Ez 1.1-28; Ez 10.1-22; Ap 4.6-8). Esses seres angelicais, vistos como “quatro seres viventes”, tem sido objeto de bastante de discussão. Deixando de lado a alegoria e verificando-se os textos bíblicos acima, compreenderemos que, apesar de certas diferenças, “os quatro seres viventes” são os Querubins (Ez 10.20, 14; Ez 1.10) ou Serafins, visto que a canção e as asas deles são a canção e as asas dos anjos (Is 6.1-4). Pessoalmente, defendo a tese dos querubins.

De fato, esses anjos são representados como seres vivos em várias formas, descrições simbólicas que revelam o seu extraordinário poder. O sentido é esse: os quatro seres viventes são descritos como leão (por força), novilho (por serviço), homem (inteligência) e águia (rapidez), que são, de fato, as características bíblicas dos anjos. Além disso, os querubins também foram representados, com várias asas e voando com Deus (II Sm 22.11; Sl 18.10; Ez 1.6, 11, 16-17; Ez 10.8; Is 91.1; Sl 104.3) ou como sustentando uma carruagem do Senhor (Ez 9.3). Alguns até sugerem que Satanás seja um querubim caído (Ez 28.14, 16), mas o texto bíblico é discutível.

De um jeito ou de outro, os anjos sempre estiveram ao nosso redor. Seja na história ou nas estórias, na Bíblia ou em outros escritos religiosos, em filmes ou séries de televisão, os anjos estão lá. Assim, em meio a esse vasto e observável universo angelical, oro para que a Igreja de Jesus veja os seres angelicais como eles realmente são: seres criados, espirituais, incorpóreos, racionais, morais, poderosos, imortais, numerosos e organizados, sejam eles eleitos ou reprovados.

Rev. Ângelo Vieira da Silva
--------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais sobre angelologia bíblica clicando aqui. 

Comente essa postagem aqui:
EmoticonEmoticon