BEM-AVENTURADOS OS PACIFICADORES


“Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus” (Mt 5.9).

Não é possível que esta bem-aventurança esteja confirmando que o mundo caminhará até a paz mundial ou ausência de guerras. Também não é possível que denote apenas um sentimento ou estado passivo de paz. Veja: as Sagradas Escrituras demonstram que o mundo não caminhará para paz mundial, mas para o aumento crescente da iniquidade (Mt 24.3-12): “No monte das Oliveiras, achava-se Jesus assentado, quando se aproximaram dele os discípulos, em particular, e lhe pediram: Dize-nos quando sucederão estas coisas e que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século. 4 E ele lhes respondeu: Vede que ninguém vos engane. 5 Porque virão muitos em meu nome [crise religiosa], dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos. 6 E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras [crise política]; vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim. 7 Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e haverá fomes [crise social] e terremotos [crise natural] em vários lugares; 8 porém tudo isto é o princípio das dores. 9 Então, sereis atribulados, e vos matarão. Sereis odiados de todas as nações, por causa do meu nome [perseguição cristã]. 10 Nesse tempo, muitos hão de se escandalizar, trair e odiar uns aos outros; 11 levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos [desvio dos cristãos]. 12 E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor se esfriará de quase todos”. 

“Pacificadores”, eirenopoios (gr.), remete ao “fazer algo superior” para se alcançar “segurança e harmonia”. Isso é paz ou pacificar. É o que se deseja com o cumprimento judaico “shalom”, por exemplo. Portanto, parafraseando o comentarista bíblico Simon Kistemaker, a sétima bem-aventurança ensina que são extremamente felizes os cristãos que servem ao Deus da Paz (I Co 14.33; 1 Ts 5.23), que aspiram viver a paz com todos os homens (Rm 12.17-18), proclamam o evangelho da paz (Ef 6.15; Is 52.7) e modelam suas vidas como a do Príncipe da Paz (Jo 13.15; Is 9.6-7). A verdadeira segurança e harmonia são alcançadas com o Supremo Bem. Daí a mensagem de reconciliação (2 Co 5.20): “De sorte que somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por nosso intermédio. Em nome de Cristo, pois, rogamos que vos reconcilieis com Deus”.

Mas, qual é a promessa desta bem-aventurança? Ora, os pacificadores serão chamados filhos de Deus: “vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus; e, de fato, somos filhos de Deus. Por essa razão, o mundo não nos conhece, porquanto não o conheceu a ele mesmo” (I Jo 3.1). Eis uma palavra de reconhecimento, como da Igreja Primitiva chamada de “cristãos” (At 11.26). Historicamente, “ser filho de” é o mesmo que “ter a natureza de”. Assim, os cristãos são reconhecidos por seus valores e atitudes aliadas ao Cristo do Deus de paz. A paz é um fruto do Espírito (Gl 5.22). Ora, o pacificador não é aquele que apenas recebe a paz e a conserva diante dos momentos difíceis da vida. É uma atitude, uma conduta ativa. O pacificador é aquele que promove a paz, não meramente que a sente, a ama ou a deseja: “Segui [correr a fim de capturar] a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor”... “A sabedoria, porém, lá do alto é, primeiramente, pura; depois, pacífica, indulgente, tratável, plena de misericórdia e de bons frutos, imparcial, sem fingimento. 18 Ora, é em paz que se semeia o fruto da justiça, para os que promovem [ser os autores de] a paz”. (Hb 12.14; Tg 3.17-18).

Encerro o estudo da sétima bem-aventurança lembrando um pensamento do Rev. Augusto Nicodemos Lopes, doutor em interpretação bíblica e vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil: “Deus não prometeu uma viagem tranquila, apenas uma chegada segura”.

Pense nisso.
Rev. Ângelo Vieira da Silva

BEM AVENTURADOS OS LIMPOS DE CORAÇÃO


“Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus” (Mt 5.8).

Essencialmente, a sexta bem-aventurança não expressa um coração limpo mediante uma limpeza exterior. como muitos podem achar. Ora, é possível que a religião ofereça a possibilidade de uma limpeza exterior do coração, tal como o farisaísmo do Novo Testamento: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, mas estes, por dentro, estão cheios de rapina e intemperança! Fariseu cego, limpa primeiro o interior do copo, para que também o seu exterior fique limpo! Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia! Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas, por dentro, estais cheios de hipocrisia e de iniquidade”... “Abominável é ao SENHOR todo arrogante de coração; é evidente que não ficará impune” (Mt 23.25-28; Pv 16.5). Jesus, porém, fala do coração, sede da vontade e caráter (pensar, sentir, querer). Ao contrário dessa perigosa interpretação, o Senhor fala de uma limpeza interior do enganoso coração: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?” (Jr 17.9). O exterior precisa ser uma revelação do interior.

O termo “limpo” (katharos, gr.) refere-se à “liberdade, aquilo que não possui qualquer mistura”. Na perspectiva judaica, o coração é a sede da “vontade e caráter”: “Bem sei, meu Deus, que tu provas os corações e que da sinceridade te agradas; eu também, na sinceridade de meu coração, dei voluntariamente todas estas coisas; acabo de ver com alegria que o teu povo, que se acha aqui, te faz ofertas voluntariamente. SENHOR, Deus de nossos pais Abraão, Isaque e Israel, conserva para sempre no coração do teu povo estas disposições e pensamentos, inclina-lhe o coração para contigo; e a Salomão, meu filho, dá coração íntegro para guardar os teus mandamentos, os teus testemunhos e os teus estatutos, fazendo tudo para edificar este palácio para o qual providenciei”. (I Cr 29.17-19). Assim, no sentido espiritual das bem-aventuranças, os limpos de coração serão os “homens livres do pecado, que não se misturam com a iniquidade”: “Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós outros. Purificai as mãos, pecadores; e vós que sois de ânimo dobre, limpai o coração”... “Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo” (Tg 4.8; Hb 3.12).

Finalmente, pergunto: qual é a promessa desta bem-aventurança? ‘‘Porque verão a Deus’’, responde Jesus. Não verão “literalmente” a Deus (Ex 33.20), mas contemplarão a sua glória em Jesus: “Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é”...“Quem subirá ao monte do SENHOR? Quem há de permanecer no seu santo lugar? O que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à falsidade, nem jura dolosamente” (1 Jo 3.2; Sl 24.3-4). Verão o Pai no Filho: “Replicou-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta. 9 Disse-lhe Jesus: Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido? Quem me vê a mim vê o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai?” (Jo 14.8-9). De fato, com efeito, “Deus é bom para com Israel, para com os de coração limpo” (Sl 73.1).

Encerro o estudo da sexta bem-aventurança lembrando um pensamento do afamado cientista Benjamim Franklin, calvinista e um dos líderes da revolução americana: “Limpe seus dedos antes de apontar para minhas manchas”. Parafraseio aqui: que seu coração seja limpo antes de exigir a limpeza de outros corações.

Pense nisso.

Rev. Ângelo Vieira da Silva