ÁRVORE DE NATAL: TER OU NÃO TER?



A árvore de natal é um símbolo muito usado nas residências, lojas e lugares públicos para identificar a chegada do Natal. Mas, o que a Bíblia poderia dizer sobre esse assunto? Será que cristãos protestantes podem usar árvores de natal? Creio que sim e algumas razões estão a seguir. 

Especificamente, pensa-se que em Jeremias 10.2-4 Deus, explicitamente, condena árvores de Natal. Há uma semelhança entre a coisa descrita no livro de Jeremias e a árvore de Natal, é verdade. Semelhança, no entanto, não é igual à identidade. O que o profeta descreveu era um ídolo, uma representação de um falso deus: “como o espantalho num pepinal, não podem falar; necessitam de que os levem, pois não podem andar. Não tenhais receio deles; não podem fazer o mal, nem podem fazer o bem” (Jr 10.5). A referência paralela ao texto supra, em Isaías 40.18-20 (ver também Is 10.18-20), esclarece que o tipo de coisa que Jeremias tem em mente é um objeto de adoração e não uma árvore de natal. Assim, a semelhança é meramente superficial. A árvore de Natal não se origina da adoração pagã de árvores naquele contexto (o que foi praticado em outros tempos e lugares), porém, de dois símbolos explicitamente cristãos do Ocidente da Alemanha Medieval.

A Enciclopédia Britânica descreve eventos poucos conhecidos em torno desse tema. Segundo ela, a moderna árvore de Natal se originou na Alemanha Ocidental. Era o principal esteio de uma peça medieval sobre Adão e Eva, uma árvore de pinheiro pendurada com maças que representava a "Árvore do Paraíso", uma encenação do jardim do Éden. Os alemães montavam tal árvore nos seus lares no dia 24 de dezembro, por ocasião da festa religiosa em torno de Adão e Eva. A Enciclopédia  ainda revela que eles penduravam bolinhos delgados e biscoitos de vários formatos no pinheiro, além do uso de velas que simbolizavam a luz de Cristo.

Observando as devidas proporções do assunto, para celebrar-se o Natal não há nada essencialmente maligno sobre a árvore de Natal. Como o mito moderno de Papai Noel, eis uma tradição relativamente recente. Ora, durante séculos as pessoas celebraram o Natal sem a árvore e sem o semi-divino residente do Pólo Norte. O que é essencial ao Natal é Cristo! No entanto, isso não quer dizer que devemos jogar fora as árvores. Nesse assunto, temos liberdade cristã para adotar tais tradições e usá-las para ensinar os nossos filhos sobre Cristo, ou para celebrar o nascimento de Cristo. Sejamos sábios e sóbrios; não sejamos extremistas. Celebremos o natal como deve ser: com consciência de seu significado, independentemente dos símbolos que adotarmos para o encenar.

Feliz Natal!

Rev. Ângelo Vieira da Silva

Comente essa postagem aqui:
EmoticonEmoticon